24/01/2014

Eu (coração) televisão


Gosto de fenómenos culturais de massa. Aparentemente este gosto não deveria encaixar com a minha suposta natureza individualista, às vezes até egocêntrica, mas é apenas uma das muitas incongruências a que me dou o direito.   

Os fenómenos de massa turvam a visão, toldam o espírito, fazendo-nos parecer robots de sorriso artificial e pensamentos fraquinhos, fraquinhos. Mas são esses mesmo fenómenos que propulsionam grandes mudanças comportamentais no planeta. Ora, é mesmo aqui que a coisa m'agrada!

É neste contexto de toldar mentes, criar dependências e fomentar comportamentos consumistas que se enquadra a nossa querida Televisão. Pois eu cada vez gosto mais da Televisão. Acho que está cada vez melhor e até que nunca esteve tão bem.
O mais provável é estares a franzir a cara, a pensar "esta não está boa da cabeça...mas desde quando é que aquela merda está melhor?". Mas eu respondo-te: desde que os senhores da tv passaram a catalogar as massas!

Asseguro-te que a televisão generalista italiana está looooooonge de ser melhor que a portuguesa. Não falta nada: Casa dos Segredos, Factor X, Big Brother série 3455, jornalistas a disparatarem e palhaçadas política em pleno Senado...Enfim, toda aquela panóplia que nos é conhecida de ginjeira. Mas é aqui que entra a maravilhosa programação da televisão por cabo ou por satélite ou por onde-quiserem-desde-que-venha-com-um-comando-que-dá-acesso-a-um-porradão-de-canais.

Não me lembro da última vez que vi televisão de má qualidade, porque tudo o que vejo ajusta-se na perfeição aos meus gostos, necessidade e curiosidade. O que vejo, vejo de livre e espontânea vontade, vejo por comandar o comando - passo a expressão - e sou feliz na minha decisão televisiva.

Por todas estas razões não percebo as constantes lamúrias em relação a alguns programas televisivos ou, pior ainda, aos espectadores desses mesmos programas, quando a grande maioria tem à disposição centenas e centenas de canais mais ou menos ajustados às próprias exigências culturais, intelectuais e de entretenimento. Convenhamos que numa televisão em que existem canais como por exemplo "Pesca e Caça" ou então "Noivos"...eh pá, está tudo dito!

Não vejo a versão portuguesa, muito menos a italiana, da Casa dos Segredos, nunca vi e tenho a certeza que a probabilidade de ver, num futuro próximo ou longínquo, é praticamente inexistente. Nunca vi sequer o genérico na sua totalidade. Não chego sequer a perceber as piadas que se fazem sobre o referido programa. Mas assim como não vejo a Casa dos Segredos, não vejo outras centenas de milhar de programas que se lhe assemelham em formato e/ou em conteúdo.

Posto isto, a minha maior dificuldade é perceber como se pode dar tempo de antena a mal-dizer algo que facilmente se pode ignorar com o premir de um botão e em menos de um "ai". E quem diz televisão, diz revistas, jornais, blogues, sites, enfim todo um mundo de informação.
De facto, enquanto continuarem a pôr em evidência escolhas individuais eu continuarei a gostar dos fenómenos de massa!

Sem comentários:

Publicar um comentário