12/10/2012

Passegiando qua e là

photo by Ana Tique

Tenho umas boas milhas à volta do planeta, já passei por bastantes cidades e alguns países, o que não significa que conheça muito ou sequer que saiba muito sobre os locais onde passei. Aterrar numa cidade por uns dias, ver dois ou três monumentos e almoçar na esplanada da praça mais movimentada não faz de mim uma "connoisseur" mas tão somente uma curiosa, uma turista. Conhecer, conheço apenas os sítios onde me fixei e para mim isso é viajar. 
Repensar a própria existência testando os próprios limites é um dever humano e também a única maneira de enfrentarmos os nossos defeitos e evidenciarmos as nossas qualidades. Talvez por isso, acredito piamente que são os locais para onde viajamos que nos escolhem e não o contrário. 
Deixar a "comfort zone" será sempre o meu maior desafio, a minha maior conquista e lição de vida. Mas viver aqui hoje e partir pr'acolá amanhã, sem data de retorno, não é tarefa fácil. 
A primeira grande dificuldade é também a mais idiota e básica de todas: que raio de mala é que se faz quando a viagem é por tempo indefinido!? A segunda grande dificuldade e a mais assustadora de todas: o que deixar para trás? Bom, até agora ainda não consegui uma resposta clara para nenhuma destas questões, por isso continuo a ser uma naba a fazer malas e inevitavelmente fico sempre uns tempos a remoer o que não pude levar comigo. 
Alguns anos de processos migratórios no bucho e dou por mim a criar mecanismos de defesa que me permitem enfrentar o bicho papão:
1ª Mala - Nunca levo o essencial! O essencial é o essencial e por ser essencial estará sempre à disposição, existe em todo lado. Daí chamar-se essencial. Por isso levo o acessório, o que não vou encontrar em parte alguma. Objectos pessoais que à partida não me irão fazer falta, mas que me permitirão um sentimento de pertença, um sentimento de casa. Levo também o meu casaco mais quente, de preferência um sobretudo de caxemira, não vá o diabo tecê-las. 
2ª O que deixar para trás - Deixo aquilo que mais saudades me fará, o que mais difícil fôr de me separar. Pode parecer masoquista (e às vezes é mesmo!) mas esse espaço vazio é o mais recompensador quando é novamente preenchido. 
Mais importante que escolher para onde vou, o que irei fazer ou necessitar, é ir sem olhar para trás. Nesta arte de mudar de vida e de país aprendi que é a acção que conta, jamais a intenção. Para além disso, sempre que construo uma nova casa, uma nova vida, dou por mim a realizar sonhos e, obviamente, uma nova colecção de sapatos.  

***

I've travelled some miles around the planet and though I've been in some some countries and cities it doesn't mean I know much about the places. Landing in a city for a few days, visiting some monuments and have a beer on the busiest square in town does not make me a "connoisseur" if merely a tourist.
To know a place one has to stay in that place for a while. And for me, this is to travel.
Rethink one's existence and test one's own limits is a human duty. It's also the only way we can face our faults and point out our qualities. I firmly believe that the places are the ones who choose the travel and not the other way around. 
Leaving the comfort zone will always be my greatest challenge, my greatest achievement and biggest lesson in life. But going from place to place ain't no easy task.The first major difficulty is also the dumbest: what should one pack for an indefinite time journey!? The second major difficulty and probably the most scary is: what should I leave behind? Well, so far I haven't found a clear answer to any of these questions, so my packing is miserable and I always spend some time crying over what I left behind. Anyway, a few migration experiences have lead me to some effective ways to face the bogeyman:
 1. Packing - Never pack the basics! The basics are basics and they will basically be everywhere. Thus the name basic. Instead take the accessory, those things you will not find anywhere else. Personal items that will give you a sense of belonging, a feeling of home. I also pack my warmest coat, preferably a cashmere overcoat 'cause you never know!
2. What to leave behind  - As strange as it might be, I leave behind what I will miss the most. It may seem masochistic (surely is sometimes!) but when that gap is filled it's the most rewarding feeling ever.Far more important than to choose where to go, what to do or what to need, is to hit the road without looking back. To change your life all it matters is the action. Don't care about the reasons nor intentions. 
After all, whenever I build a new house, a new life, I find myself making my dreams come true and, of course, starting over a new collection of shoes.

Sem comentários:

Publicar um comentário